Perkons S.A | Mobilidade e Segurança no Trânsito

Educador Identificação dos veículos

Os veículos são identificados por caracteres gravados no chassi ou no monobloco (interno) e externamente por meio de placas dianteira e traseira lacradas em sua estrutura.

Chassi

Decifrando as letras e números, é possível descobrir a procedência do veículo. Ou seja, local e ano de fabricação, marca, modelo e até seu número dentro da linha de produção:

Para conhecer a identidade de um carro é necessário ter em mãos uma tabela com os significados, por exemplo:

Crédito: G1


Segurança contra fraudes: Para dificultar o trabalho dos mal intencionados, as letras “I”, “O” e “Q” são proibidas na marcação do chassi, já que podem ser facilmente adulteradas. No Brasil, a numeração foi regulamentada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) em 1995, de acordo a ABNT que padronizou a identificação seguindo normas mundiais. A maioria dos carros produzidos antes desse ano já possuía um código de identificação, mas cada montadora fazia sua própria marcação.


Placa

As placas de identificação de veículos são regulamentadas pelo Código de Trânsito Brasileiro (Art. 115), por Resoluções do Contran (nº 032/98; nº 493/75; nº 793/94; nº 797/95; nº 032/98; nº 088/99; nº 231/07; nº 241/07; nº 275/08; nº 286/08; nº 309/09; nº 342/10; nº 372/11) e por instrução de serviço do Departamento de Trânsito (Detran) da Unidade de Federação.

No Brasil existem cinco categorias diferentes de placas, que influenciam também em suas dimensões e cor. Cabe aos Detrans credenciar, determinar os locais de serviços e vistoriar os fabricantes, sendo estes responsáveis pela aplicação das tarjetas e lacres:

| Particular

| Aluguel


| Experiência/Fabricante

| Aprendizagem

| Coleção

| Oficial

| Missão Diplomática; Corpo Consular

| Representação

Crédito: revista.pensecarro.com.br



O ABC das placas

Em 1990, quando as placas amarelas (com duas letras e quatro números) foram substituídas pela cinza (com três letras), cada estado recebeu combinações de letras e números próprias, distribuídas pela frota local em ordem cronológica de licenciamento ou emplacamento. No entanto, é possível encontrar placas com cidades e combinações "trocadas", isso porque a combinação do primeiro emplacamento permanece o mesmo quando há alteração de estado/cidade.

Paraná AAA-0001 a BEZ-9999
São Paulo BFA-0001 a GKI-9999
Minas Gerais GKJ-0001 a HOK-9999
Maranhão HOL-0001 a HQE-9999
Mato Grosso do Sul HQF-0001 a HTW-9999
Ceará HTX-0001 a HZA-9999
Sergipe HZB-0001 a IAP-9999
Rio Grande do Sul IAQ-0001 a JDO-9999
Distrito Federal JDP-0001 a JKR-9999
Bahia JKS-0001 a JSZ-9999
Pará JTA-0001 a JWE-9999
Amazonas JWF-0001 a JXY-9999
Mato Grosso JXZ-0001 a KAU-9999
Goiás KAV-0001 a KFC-9999 e NFC-0001 a NGZ-9999
Pernambuco KFD-0001 a KME-9999
Rio de Janeiro KMF-0001 a LVE-9999
Piauí LVF-0001 a LWQ-9999
Santa Catarina LWR-0001 a MMM-9999
Paraíba MMN-0001 a MOW-9999
Espírito Santo MOX-0001 a MTZ-9999
Alagoas MUA-0001 a MVK-9999
Tocantins MVL-0001 a MXG-9999
Rio Grande do Norte MXH-0001 a MZM-9999
Acre MZN-0001 a NAG-9999
Roraima NAH-0001 a NBA-9999
Rondônia NBB-0001 a NEH-9999
Amapá NEI-0001 a NFB-9999

Fonte: Revista Quatro Rodas

Compartilhe:
« Voltar


» O que diz o Código: É importante lembrar que conduzir veículo sem placas ou com placas sem condições de legibilidade ou visibilidade constitui infração gravíssima e acarreta em multa, remoção e apreensão do veículo (Art. 230; Incisos I, IV e VI); a penalidade para quem adulterar uma placa ou cloná-la é imposta no artigo 311 do Código Penal, que prevê três a seis anos de prisão ao infrator.

» A partir de janeiro de 2016, carros novos já terão as placas no padrão do Mercosul.